Piquete:Desaparecimento de Escoteiro é um mistério há 26 anos



"Não vou morrer sem saber o que aconteceu”. Com voz decidida, é assim que o jornalista Ivo Simon, 72 anos, encerra sua conversa com O VALE, 26 anos após o seu filho, o escoteiro Marco Aurélio Bezerra Bosaja Simon, ter desaparecido durante uma excursão ao Pico dos Marins, em Piquete.

A esperança de encontrar o filho vivo, que sumiu sem deixar vestígios em 8 de junho de 1985, continua forte para a família. Tanto o pai como a mãe, Thereza Neuma Bezerra Simon, 66, e os outros quatro filhos, Adriana, Fábio, Marco Antônio (gêmeo univitelino de Marco Aurélio) e Patrícia, não desistiram de procurar o familiar.


Entretanto, como o próprio pai confessa, ano a ano a esperança mingua e hoje, apesar de garantir que “a morte jamais vai passar pela nossa cabeça, até que se prove o contrário”, ele já aceita conviver com a suspeita de que o filho foi assassinado.

A polícia, que arquivou em 1990 um processo de 389 páginas sobre o caso, descarta a hipótese.

A única certeza é que se trata de um dos maiores mistérios do país: Marco Aurélio sumiu e nunca se encontrou nenhum vestígio (roupas ou pertences como faca, cantil ou canivete) do adolescente.

O enigma alimenta as mais variadas teorias --crime, abdução por OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados), sequestro, fuga. Nos arredores do pico dos Marins, o assunto é, até hoje, motivo de discussão.

Suspeitas. Depois de 26 anos procurando o filho, Ivo Simon aceitou que o líder do grupo de escoteiros, Juan Bernabeu Céspedes, à época com 36 anos, pode ter atuado de forma errada.

Céspedes chefiava um grupo com quatro escoteiros do grupo Olivetano, de São Paulo, entre eles Marco Aurélio. Eles começaram a escalada rumo ao pico da montanha no dia 7 de junho. Ao atingir a altitude de quase 2.300 metros, um dos escoteiros se machucou e Marco Aurélio foi designado, segundo contaram os escoteiros à época, designado por Céspedes a ir na frente em busca de socorro.

Foi quando o mistério teve início. “Nunca desconfiamos do Juan (Céspedes) porque ele era amigo da família. Chegou a passar o Natal com a gente. Mas hoje penso diferente”, afirma o pai.

“Não quero incriminá-lo, não existem provas. Mas, os escoteiros contaram que Juan chegou a acompanhar meu filho um tempo quando ele foi buscar ajuda. E depois ele voltou, pegou o resto do grupo e desceu a montanha por um outro caminho”, conta Simon.

“Quando eles chegaram à base, Juan voltou sozinho e procurou meu filho por uma cinco horas, já era madrugada do dia 8. Só depois ele voltou e comunicou o sumiço”.

A tragédia mobilizou mais de 300 pessoas, entre policiais, equipes especializadas em salvamento e busca, mateiros e voluntários. Durante 28 dias, eles vasculharam a região do Pico dos Marins, sem sucesso.

Ontem, O VALE telefonou para Céspedes, que atualmente atua como advogado em Manaus. Ao atender, ele negou entrevista, afirmando estar ocupado.

Fé. Ao pai, sobram-lhe as palavras de Chico Xavier, médium mais conhecido do país, morte em 2002. “Estive na casa do Chico Xavier em 1986 e ele disse: ‘só me comunico com pessoas desencarnadas’. Tudo sempre levou a crer que meu filho está vivo”.


São José dos CamposDepois de quase cinco anos de investigação, a polícia arquivou o processo do desaparecimento de Marco Aurélio. No laudo da Polícia Técnica, que levou dois anos para ficar pronto, apontou-se que o mais provável teria sido uma fuga.

Delegada da Seccional de Guaratinguetá, Sandra Vergal assumiu a delegacia de Piquete pouco tempo depois do sumiço e participou das investigações. Ontem, a O VALE ela disse acreditar que o Marco Aurélio ainda está vivo.

“A gente subiu, investigou, fez a reconstituição, olhamos tudo. Não houve ocultação de cadáver, achamos que ele está vivo”, disse.

A delegada contou ainda que, “à época, achamos um motorista de ônibus que reconheceu o irmão gêmeo de Marco, afirmando ter dado carona para ele no período do sumiço”, contou.

O processo que investigou o desaparecimento do escoteiro reúne 389 páginas e está arquivado desde 1990, mas pode ser reaberto caso uma nova prova venha à tona.

Hoje, com base na aparência do irmão gêmeo univitelino, Marco Aurélio, se realmente estiver vivo, deve estar com aproximadamente 80 quilos, 1,70 metros de altura e 40 anos. Ele tinha estrabismo acentuado no olho esquerdo.


FONTE: O VALE

Comentários

  1. boa tarde, esse senhor tem um comportamento muito estranho, atua como advogado em manaus, ele e sua esposa. AV. Visconde de Porto Alegre, 1375 - Praça 14 de Janeiro, (92) 3234-2613. Tenho um filho de 10 anos e jamais deixaria impune se um dia ele viesse a sumir. acredito em ocultação de cadáver e somente ele pode dizer o local. pois naõ acredito com tanta atenção dos pais com o filho ele teria motivo para fugir e depois de varias buscas não terem encontrado..

    ResponderExcluir
  2. Eu estriparia esse desgraçado até ele me contar o que fez com o garoto

    ResponderExcluir
  3. Eu estriparia esse desgraçado até ele me contar o que fez com o garoto

    ResponderExcluir
  4. Ele simplesmente diz no livro operações marins que conta toda essa história que se voltasse ele fsria tudo de novo

    ResponderExcluir
  5. Ele simplesmente diz no livro operações marins que conta toda essa história que se voltasse ele fsria tudo de novo

    ResponderExcluir
  6. Ele simplesmente diz no livro operações marins que conta toda essa história que se voltasse ele fsria tudo de novo

    ResponderExcluir

Postar um comentário