Pular para o conteúdo principal

Prefeita de Piquete é cassada pela Câmara de Vereadores



A Câmara de Piquete cassou o mandato da prefeita Ana Maria de Gouvêa 'Teca' (PSB) na tarde da quarta-feira (12). A prefeita era alvo de uma Comissão Processante Interna (CPI) que investigava o abandono de cinco imóveis públicos. O vice-prefeito, Agnaldo de Almeida Mendes (MDB) foi empossado no fim da tarde.
Teca era alvo de uma CPI que apurava há alguns meses a denúncia do presidente da Câmara, Mário Celso de Santana (PSD), do abandono um centro de educação ambiental, duas escolas municipais, uma academia ao ar livre e um posto de saúde.
Os imóveis faziam parte da lista de 51 prédios públicos, mas estariam sem manutenção ou uso. Em sua defesa ao legislativo, a prefeita alegou que a cidade conta com 49 prédios, entre escolas, unidades de saúde e repartições em funcionamento e que atendiam a demanda da população sem prejuízos.
Após a apresentação da defesa, a Câmara se reuniu nesta quarta-feira (13) para decidir pelo arquivamento ou cassação da prefeita. A sessão começou às 9h e os trabalhos para a decisão duraram cerca de oito horas e terminou pela cassação do mandato de Teca por oito votos a um.
Único voto contrário, o vereador Rodrigo Nunes (PHS) alegou que a motivação da cassação era frágil. “Tirar um prefeito eleito por voto do posto é um desgaste para a cidade. A denúncia não era grave, não havia nenhum desvio de verba, uso indevido do bem público. Por isso eu fui contrário”, conta.
Ao G1, Teca informou que foi pega de surpresa com a votação e que estava cumprindo agenda em São Paulo. Disse ainda que a cassação trata-se de perseguição política, que os prédios citados na denúncia estavam fechados desde antes da sua gestão e que a cidade não tinha orçamento para recuperá-los.
“Eu priorizei os serviços para o morador na minha gestão e com orçamento que tínhamos não consegui recuperar esses imóveis. Não estou sendo acusada de desvio nenhum, vou aguardar a decisão da justiça sobre esse caso”, explicou a prefeita.


Fonte:g1/vale


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mulher é morta com golpe profundo na cabeça

Policiais Militares foram acionados para a rua Mario Pinto,Vila Batista parte alta, em Cruzeiro para atender uma ocorrência na madrugada desta quinta-feira(26).Pelo local foi encontrada sem vida Tamires Flaviana dos Santos,30 anos.Ela tinha um corte profundo na cabeça. A pericia foi acionada para os procedimentos e o corpo encaminhado para o IML de Cruzeiro. A Policia Civil vai investigar o caso e ainda de acordo com o registro a mulher tinha passagem criminal e era usuária de drogas.

Jovem é alvo de tentativa de homicídio próximo a rodoviária em Cruzeiro

Um jovem de 24 anos foi atingindo com tiro no braço esquerdo na noite de domingo (23) na avenida Rotary Clube,próximo a rodoviária.De acordo com testemunhas dois indivíduos em uma moto efetuaram vários disparos em direção a vítima e após o fato fugiram tomando rumo ignorado.O jovem passou por atendimento na Santa Casa.
A Policia Civil vai investigar o caso.

Após três meses de atraso, conjunto habitacional de Cruzeiro tem previsão de entrega em janeiro

*Andreah Martins Cruzeiro
Mesmo com manifestações e conversas entre moradores e administração, as famílias do conjunto habitacional Colinas da Mantiqueira 1 e 2 não iniciaram o ano de casa nova. A entrega, que estava prevista para outubro do ano passado, sofreu problemas burocráticos que retardaram a liberação dos apartamentos. A nova data tem previsão para a última quinzena deste mês. Em entrevista ao Jornal Atos, o prefeito Thales Gabriel (SD) contou que os adiamentos foram resultados de informações recebidas pela empreiteira. “A Prefeitura nunca se posicionou sobre data de entrega sem uma orientação por parte da construtora. Nos deparamos com regularizações formais a serem feitas na obra pela construtora, junto ao banco e ao cartório”. O principal obstáculo que impede a entrega é a documentação para iniciar as assinaturas. “Existia um problema de matrículas e a gente entrou de forma direta para poder ajudar. A não individualização das matrículas interferiu na confecção dos contratos”. O …

Visitas